Blah blah blah

Pra colocar um marcador em algumas coisas que me passaram pelos olhos esta semana, só pra não perder de vista mesmo:

– Na abertura da Assembleia Geral da ONU, na terça-feira, vimos uma Dilma emputecida pela violação da privacidade nacional, discursando diretamente para o colega Obama. Visita de Estado cancelada, relações diplomáticas balançadas. E a aparente pressa em se resolver questões sobre o marco civil da Internet é algo que os brasileiros precisamos seguir de perto, ficar de olho mesmo.

– E ainda, em meio a todo esse imbróglio, uma repórter brasileira é arbitrariamente presa em Yale. É claro que é preciso outras versões da história pra se ter uma noção melhor de como e por que cargas d’água isso aconteceu. Mas não deixa de ser uma situação absurda, quase kafkiana. Bem, merdas acontecem.

– Por falar em “merdas acontecem”, um lembrete do IPCC, em duas palavras: estamos fritos.

– Menos urgente e bem menos grave, outra coisa que me chamou a atenção foi uma notinha que saiu na SciAm, “generosidade gera desprezo“. Dá pra viajar bastante pensando nisso (e nem é preciso ter uma mente muito fértil para tal, digamos), nas relações de poder que perpassam amizades, amizades coloridas, amor, desamor e coisa e tal. Da necessidade de se manter certas palavras e certos segredos, de não ligar pro cara no dia seguinte, de não colocar todas as cartas na mesa. Overdose de sinceridade is a killer. Mas uma coisa é certa: não é preciso ser um cuzão completo idiota para não “causar desprezo”. Se você é legal, por favor, recuse-se a se tornar um babaca em nome de mais poder na política de relacionamentos, quaisquer que sejam. Há que se recusar ser/tornar-se estúpido. Tem gente que é legal, generoso e atencioso por pura maneira de ser, ponto. Por que sufocar isso?

– Da série “delicadezas da escrita”, um conselho valiosíssimo sobre o bom escrever, de quem já esteve lá. E uma amostra de quem teve muitos bons conselhos e soube segui-los. Narrativa de perfil é mesmo uma coisa de extrema delicadeza. Deixa a vida mais leve.

Steps of a perpetual dance: sound, silence and noise

On a given Sunday night, January 18th 2004, the spectators that filled the Barbican Hall in the British capital could presence a memorable performance of the BBC Symphonic Orchestra: musicians ‘en garde’, fingers over the piano, extended arches and eyes in the conductor, who, curiously, starts to count the minutes in a clock. An anxious silence of suspended breaths fills the room. It’s only broken with the coughing that follows the turning of a page in the sheet by the people on the stage in order to give a start to the second movement. And so it is in the third. Four minutes and 33 seconds later, the public’s ovation. They had just experienced one of the most emblematic compositions of the contemporary erudite music, 4’33”, which had, in that night, been televised for the first time since its conception, around half a century earlier, by artist, theorist and composer John Cage.

According to critic Alex Ross, author of The rest is noise: listening to the twentieth century and Listen to this, Cage was to the second half of the last century what Schoenberg was to the first: the latter with his pioneerism in defending the emancipation of dissonance and experimenting atonality (non-linearity among notes that should repeat in a melody, bringing some ‘comfort’ to the listener and the ‘resolution of conflict’ to a piece); and the first, with his performances and improvising with his ‘prepared piano’, in which objects were put amidst its strings so they’d produce different sounds. Although Cage had been a Schoenberg pupil in his youth, Oriental music is the most remarkable influence in his work – and, being so, it wasn’t strange that he considered music, noise and silence were all part of an inseparable profusion. “Sound should present itself devoid of human interference. 4’33” ends up being an anti-egoic manifesto in this sense”, observes Pauxy Nunes, Composition professor at the Federal University of Rio de Janeiro (UFRJ).

William Brooks, researcher at the universities of York and Illinois, says Cage didn’t believe in the existence of absolute acoustic silence. “The experience that nourished this disbelief was his passage through an anechoic chamber in Harvard University”, where, even in a soundproof environment, he could still listen to the low sound of his blood circulation and the high sound of his nervous system at work. “I think in his mind there was a kind of distinction between silence as a real absence of acoustic stimulation – and this was what he said that didn’t exist – and silence as a mental state – and this, I believe he’d have said, especially in his last years, that did exist”, he ponders.

Sound versus silence, Brooks recalls, might not be a binary opposition. “The opposite of silence is not necessarily sound, from a musician’s point of view: there’s a kind of triadic opposition that exists between silence, musical sound and noise. The two last have duration in common, whereas silence is only duration”, he points out. He says that, under this point of view, silence has become a metaphor, a description of a mental state in which nothing is privileged and in which one is open to anything around.

In his book O som e o sentido: uma outra história das músicas, composer José Miguel Wisnik corroborates with this idea of silence as non-diferentiation. He writes that, as in the example of Newton’s disk, that makes all colors fuse into white as it gains movement, “the total sonorous is silence” because it is the “matrix of all possible communication, of all canalization of whatever message it is, the matter of all sonorous landscapes, frequency of frequencies, pulse of pulses, noise/zero”. Silence is, under this point of view, filled of sound in its essence. On the other hand, Wisnik reminds, “there’s no sound without pause. Our eardrum would go into spasm. Sound is presence and absence and is, for the least it looks like, drenched with silence”.

And the frontier between silence and noise is found in a horizon continuously fluid and less easily prone to be set boundaries in. Brooks reminds that, in the past century, people would throw a kitchen sink at a drum set in order to produce sound in performances. “Historically, the limits (between sound and silence) is kept in constant movement. In a broader sense, the tendency has been to become more inclusive. There are less and less sounds that can be taken as noise, non-musical or not appropriate to a musical continuity. In Cage’s work, for example, there’s no noise and music, only sound”, he observes.

However, the American performer wasn’t the first to blur the limits between silence, noise and musical sound. “After the Industrial Revolution there were people who did it already”, Pauxy Nunes tells. “They took machines on stage and did concerts with turbines, for example. That, at the time, was avant-garde in its extreme”, which ended up giving birth to electronic music as we know it today. A name that became known for such practice and is considered one of the precursors of futuristic music is the painter and composer Luigi Russolo, who wrote the manifesto The Art of Noise in 1913. It wasn’t unusual that his audiences got shocked with the sound of valves and engines he used in his performances: all in all, it was just pure noise. Which is split from sound, according to William Brooks, by absolutely social, historical and social criteria. “There’s no physical property or a priori to establish a difference between both”, he notes.

But, even being so, there’s no way out from certain definitions, which serve as a starting point to analysis. Pauxy Nunes says that the classical conception of noise encompasses undesirable sound, “which conveys something that doesn’t translate a style or practice, that doesn’t fit a defined melodic height”, and which, even having been historically avoided by the classic canon, has always had its space, even if peripheral: “In the 20th century, it was either avoided or used as a kind of slight ornament, as if it were a different color, in painting”, he says. Changes in philosophical thought and the upcoming of Psychoanalysis made noise, then, start to equate to the desired sound. “It’s an element that emerges and starts to pair up with melody”, according to the researcher.

Whereas noise is disturbance to the canon, silence is classically considered as a negative value, a “background over which music is outlined, a blank canvas”, Nunes observes, “but these same changes in Western thought were responsible for making this background start to gain a value in itself – like in Painting, in which the white canvas becomes as a relevant element as the dye”, he compares.

And we cannot forget that, though sound, silence and noise have their musical implications and give room to philosophical and technical discussions, they also have deep social implications – sometimes manifesting themselves not just as metaphors. Or, as Jacques Attali holds up to view in Noise: the political economy of music, silence as non-diferentiation manifests itself in contemporary society in the production and consumption of goods, and where “unanimity becomes the criterion to beauty” and all surfaces need to be smooth and polished. Hence the importance of noise, of the rituals of parties and carnivals, he says. The breaking of uniformity inverts hierarchies and gives a glimpse of the strings that manipulate power behind them. Noise, in this sense, is quite far from being a social disturbance.

(The original version, in Portuguese, has been published here)

Uma reivindicação justa, justíssima

Democracia (real) e política distribuída já! 

Isso não é um texto, é uma ferramenta de articulação política.
Os eventos ainda em curso de junho-julho-agosto surpreenderam a todos. Pensamos este momento como uma grande oportunidade, para amplo espectro da esquerda, discutir não só pautas e alinhamentos, mas também processos e formas de atuação. Este breve documento pretende ser um convite ao debate, apresentando alguns princípios e temas sobre os quais podemos nos debruçar para na democracia em nosso país.

Democracia e transparência

Os eventos dos últimos meses propõe a força do exercício de pensarmos formas mais diretas de democracia, da ocupação dos espaços públicos – legislativos, plenárias, reuniões e assembleias já em curso. Não um esgotamento da política, tal qual tem sido praticada no país, ou uma recusa dela, mas uma expressão coletiva pela ampliação real dos espaços de exercício político, para além de espaços institucionais ou institucionalizados: da imaginação à ação, exigindo imediata desconcentração dos espaços de poder e distribuição equitativa dos meios de produção e fruição da mesma.

Transparência dos processos. As novas formas de fazer política em rede e na rede passam pela articulação da informação livre e pública, tecnologias livres e dados abertos. O momento coloca o desafio de articular estes temas e princípios coletivos – de forma coletiva – respeitando a pluralidade de grupos e interesses, refletindo como estes podem participar de ações de rua e na rede por meio de metodologias horizontais/transversais.

Redes e ruas se complementam e devem ser expressão da democracia. Uma política distribuída pressupõe uma política de multiplicidades de redes e repele qualquer tentativa de centralização, manipulação ou hegemonização destas. As potentes mobilizações manifestam desejos de autonomia, democracia, diálogo direto e horizontal, dentro e fora dos próprios movimentos, colocando-se contra verticalismos, abusos de poder e opressões (de gênero, classe, orientação sexual/afetiva, etc).

Arte, Cultura e Comunicação 

As manifestações expressam uma recusa radical dos monopólios e suas intermediações (da mídia, da política e também da cultura) e pautam a urgência de intensificar os debates sobre arte, cultura e comunicação. As experimentações do Governo Lula, potentes ainda que iniciais, como o financiamento contínuo da pesquisa e produção artística dos Pontos de Cultura, dos Pontos de Mídia Livre, da distribuição mais democrática e equitativa dos recursos do Fundo Nacional da Cultura, assim como das verbas publicitárias públicas e o projeto de Lei de Mídia, precisam ser resgatados.

Nas lutas por igualdade e justiça, a arte, a cultura e a comunicação são essenciais. Avanços somente serão possíveis por meio da retomada processos amplos de discussões sobre o que seriam políticas públicas democráticas de acesso aos meios de produção e fruição das mesmas no país. É preciso escutar os debates já em curso e incentivar as diferentes formas existentes de auto-constituição das mais diversas manifestações artísticas, culturais e de comunicação, em todos os cantos do país.

Cidade livre (e aberta) e a rua como espaço de encontro 

Junho-julho-agosto coloca com urgência a pauta do direito à cidade como espaço de desenvolvimento humano, pessoal e coletivo. Isso começa pelo direito à vida, ao deslocamento e à livre manifestação – fim da militarização policial, da regulação dos pobres e novas políticas de educação, de transporte, de drogas e de saúde – , desembocando no direito à cidade como espaço de invenções e diálogos entre diferentes formas de conviver. Repudiamos as ações violentas do Estado e de governos que criminalizam os jovens mascarados ou ações diretas radicalizadas, classificadas pelo poder como vandalismo.

A cidade deve ser o espaço de circulação e de experimentação, de aprendizado mútuo, de encontros e de livre expressão para a ampliação da autonomia e liberdade de cada indivíduo. Para essas cidades livres e abertas, as lutas e diálogos são imprescindíveis: deles nascem o amor e a possibilidade de um “novo” democrático.

As mobilizações repelem representantes não legítimos e explicitam uma crise da representação dos governos e das formas organizadas tradicionalmente. Nisso revelam sua multiplicidade e sua recusa da unificação e manipulação do que é público para uso, lucro e fins privados, sejam de corporações, cartéis, indivíduos ou organizações. Nenhuma forma de concentração de renda sobre bens ou serviços públicos, conservadorismo, autoritarismo, machismo, homofobia, preconceito de classe e racismo passará.

Um dos maiores legados do processo em curso se situa no uso das ruas, no compartilhamento dos espaços da cidade e produção dos encontros. Não se pode sair das ruas do mesmo modo que se entra nelas: é na rua que somos penetrados pelo outro, por outras idéias e que produzimos aos poucos um projeto de emancipação coletiva e libertária.

Democracia nas ruas, nas redes – urgência de banda larga para todos, Marco Civil da Internet, autonomia tecnológica da América do Sul – e nas instituições, reinventando as instâncias de democracia representativa e direta na Constituição. Hora de criar e fortalecer conexões e articulações sem centralizadores. Malgrado a incompreensão de certa opinião pública, uma multidão de jovens aceitou com seus corpos o desafio de renovar a fonte constituinte, de radicalizar para valer a democracia, de acelerar não o crescimento do capitalismo, mas a produção de outros valores.
Seguimos nessa construção.

Vamos alterar-remixar-mudar-reproduzir esse pad: http://pad.w3c.br/p/DemocraciaRealePoliticaDistribuidaJa

Para seguir nessa articulação coloque seu nome abaixo e compartilhe nas redes

Setembro de 2013

Alana Moraes, antropóloga e militante da Marcha Mundial das Mulheres
Alexandre do Nascimento, FAETEC e Universidade Nômade
Barbara Szaniecki, Universidade Nômade, UERJ
Beatriz Seigner, cineasta
Beatriz Tibiriça, Coletivo Digital
Binho Perinotto
Bruno Cava, filósofo do direito
Camele Queiroz, agente cultural audiovisual
Celio Turino, historiador, escritor e gestor de políticas públicas
Clayton Mariano, ator e diretor, Tablado de Arruar
Cledisson Junior, militante do movimento negro
Daniele Ricieri, atriz e coletivo atuadoras
Daniel Pires, mestrando em Divulgação Científica e Cultural pelo Labjor/UNICAMP
Douglas Belchior, professor da Rede Pública do Estado de SP e militante do movimento negro
Edson Secco, artista sonoro
Everton Rodrigues, militante do software livre e internet livre
Fábio Balestro Floriano, advogado
Fabricio Ramos, agente cultural audiovisual
Fabricio Toledo de Souza, advogado, doutorando em direito PUC-RJ, Universidade Nômade
Gabriel Medina, psicólogo
Giuseppe Cocco, Universidade Nômade, UFRJ
Gustavo Anitelli, produtor cultural
Henrique Parra, Pimentalab/Unifesp
Homero Santiago, filósofo, USP
Hugo Albuquerque, Uninômade Garoa
Iana Cossoy Paro, roteirista
Jean Tible, professor, CUFSA
Josué Medeiros, professor, UFRJ
Leonora Corsini, psicóloga, pesquisadora, Universidade Nômade
Ligiana Costa, cantora e apresentadora de rádio
Lula Rocha – Coordenador do Fórum Estadual de Juventude Negra do Espírito Santo – FEJUNES
Marcelo Branco, Ativista do movimento software livre e internet livre
Martha Kiss Perrone, atriz e diretora
Meghie Rodrigues, mestranda em Divulgação Científica e Cultural pelo Labjor/UNICAMP
Nilton Luz, Rede afro lgbt
Pablo Ortellado, professor
Paulo Rogério Nunes, Bacharel em Comunicação Social, especialista em Política e Estratégia e em Novas Mídias. Co-fundador do Instituto Mídia Étnica e do Portal Correio Nagô
Rafael Evangelista
Renata Gomes, Uninômade Garoa
Salloma Salomão Jovino da Silva, professor, pesquisador e músico
Sara Antunes, atriz
Sergio Godoy, professor, CUFSA
Silvana Olivieri, arquiteta e documentarista
Silvio Munari, Uninômade Garoa, pedagogo e doutorando em educação pela UFSCAR
Silvio Pedrosa, Universidade Nômade
Táli Pires de Almeida, militante da Marcha Mundial das Mulheres
Tatiana Oliveira, cientista política e militante da Marcha Mundial das Mulheres
Tica Moreno, militante da Marcha Mundial das Mulheres
Vladimir Santafé, Universidade Nômade, UNEMAT
Wagner de Melo Romão, sociólogo e professor da Unesp
William Nozaki, professor

Disponível para assinar aqui: http://www.peticaopublica.com.br/?pi=RedeRua

Recapitulando

Ou, “dos textos que a gente guarda, mas devia deixar ver a luz”.

Procurando alguma coisa aleatória no meu GoogleDocs hoje – pra auxiliar num texto que estou escrevendo sobre música, ai, música – acabei achando um fragmento velho, datado com uns bons três anos de existência. Fez aniversário dia 19 agora. Tinha cara de texto publicado no blog, mas fui enganada pelas aparências, então resolvi dar um lugar pra ele aqui. Trivial, mas um pouco de saudosismo não faz mal a ninguém.

De novo, os pensamentos fitos no excesso, no descompasso. Só pode ser talvez colocado no passo se transbordar por palavras, e isso, assim como o sentimento que as leva para a tela ou um pedaço rasgado de papel, não é nada novo, embora também não seja nada demais. Mas enfim. Músicas realmente podem te fazer pensar. E muito. Lendo as palavras singelas e cheias de sentido de uma recém-amiguinha, me veio uma favorita de já algum tempo, escondida em algum lugar do meu repertório musical – cuja letra ajuda a resumir bastante bem algumas partes importantes desse penduricalho de ideias que dançam indefinidamente entre as quatro paredes dessa pequena caixola que sustenta essa vistosa cabeleira encaracolada. E, outra vez, uma ‘efervescência coletiva’ de ideias começou a espumar, apertando as paredes da garrafa para sair.

E então precisei concordar com um querido amigo meu quando me apresentou uma ideia meio mirabolante sobre o quanto as músicas podem ensinar várias lições importantes, e do quanto se pode assimilar conhecimento a partir delas, quase tanto e tão substancialmente quanto se faz com os livros. E se todos os livros fossem na verdade enormes letras de música (ou pudessem ser substituídos por elas)? Será que se aprende tanto ou mais com elas, palavras cantadas e tocadas, do que apenas com elas escritas? Talvez elas fiquem melhor gravadas porque se comunicam com a alma, com o hemisfério direito do cérebro? Que função essencial teria o prazer na apreensão das coisas que realmente queremos ou precisamos saber? Será que esse prazer seria uma espécie de contato privilegiado com a realidade que faz nascer pessoas e ideias extraordinárias? Não sei ao certo.